Dreams are renewable. No matter what our age or condition, there are still untapped possibilities within us and new beauty waiting to be born.

-Dale Turner-

sábado, 1 de maio de 2010

#thepursuitofperfection



E se a perfeição não é desumana, no fim das contas? E se nós é que culpamos a natureza humana por nossas próprias falhas, absolutamente evitáveis? Bem, algumas cobranças recentes têm-me levado a acreditar nisso. Olhe ao redor. Quantas pessoas exigem, demandam aos berros que você não cometa falhas, quantas pessoas se indignam e se surpreendem com a sua imperfeição? Como se ser perfeito fosse a única conduta óbvia para você. Quanta gente ao seu redor reclama, julga, lhe inutiliza verbalmente por um simples e compreensível erro seu? Todas. Mas desculpe-me, eu é que sou condescendente demais com a raça dos homens. O erro nunca é simples, nunca é compreensível. No fim das contas você mesmo já se decepcionou, berrou, e julgou o erro de outros. E, talvez, seja daí que tenha surgido a imperfeição humana, o erro primordial, um único só, que desencadeou todas as outras imperfeições: o erro de não aceitar o erro do próximo. O erro de esquecer que somos todos incompletos, mas que um dia fomos inteiros, em comunhão, quando um simplesmente cobria o erro do próximo, quando um completava o irmão ao lado.
Bobagem. Em inglês, bullshit. Desculpem-me. Ocorre-me agora que esse sistema ideal, jamais existiu. Nós nunca contamos com o erro e nunca contaremos. Nivelamos sempre por cima, sempre esperando nada mais que a perfeição. Condutas corretas com o próximo, ajudar quem precisa, se esforçar para não ter uma mente medíocre, priorizar outras vontades além de sua, saber dividir o pouco que se tem com o mundo de gente ao redor, nada disso importa na verdade, nada disso é suficiente e vale a pena. Porque o mundo de hoje, me desculpem a franqueza, o pessimismo ou o péssimo realismo, exige resultados, e lucro, dinheiro. Para quê importam as pessoas, para que preocupar-se com o que você diz e com a maneira com a qual você fala com seu filho, amigo, irmão, namorado, vizinho? Se ele não dá os resultados que você espera, de que você necessita?
Embora saiba que muitos tomarão por pedantismo, desculpem-me os bons, mas eu mesmo estou agora a perseguir a perfeição. Uma vez tendo eu a intenção de sobreviver nesse mundo de cão e de algum dia possuir algo para chamar de meu, só me resta render-me à esse sistema de resultados exigidos imediatamente, em que a demanda mínima é a perfeição humana. Só me resta aceitar, se eu quiser sobreviver, a idéia de que a perfeição é humana e está ao meu alcance e de que no fim, eu estou sempre por minha conta e risco. Bem, fiquem acompanhando, o mundo pediu e eu atenderei. Perfeição, aqui vou eu. Pelo menos eu ainda não preciso me tornar divino. #medo.

12 comentários:

Glenda Moreira disse...

Pra quem gosta de distância pra escrever, esse texto pareceu bastante intimista. Talvez por isso tenha gostado. Aliás, acho que é essa a linha que tu tens seguido nos últimos posts. Pode virar um estilo. rs

Lucas disse...

sim sim, tenho tido um apreço cada vez maior pelos textos intimistas. estou descobrindo que escrever me serve de terapia. ;D

Amanda Arrais disse...

Prefiro teus textos intimistas. E acho que faço parte do teu grupo realista ou realista-pessimista. "Uh, baby, baby, it's a hard world. It's hard to get by just upon a smile.".
É uma competição mesmo, mas continuam sempre aqueles poucos que são parceria e não concorrência. ;]

Dilha disse...

gostei, mais ainda gostei mais do passado ..

Anônimo disse...

gostei também, só acho que tu se desculpou demais. se tu jogasse sem se desculpar, ficaria um texto ainda mais impactante!

Thaynara Gomes disse...

Realmente o maior erro humano foi o erro de não aceitar o erro do outro. Graças a isso, o que nos resta é buscar a perfeição, despistando os erros.
Rubem Alves nos dá até uma dica para despistá-los, pois começando do ponto ao qual se deseja chegar, evita-se o comportamento errático e desordenado a que se dá o nome de "tentativa e erro".Enfim,se desejamos a perfeição, devemos começar logo pelo fim, no patamar da perfeição, pois hoje, infelizmente, não há espaço para erros.

Acrescento então: Perfeição, aqui vamos NÓS! ;)

Thaynara.

Samuel de Melo Neto disse...

Para quê se preocupar com a perfeição depois que o imperfeito já foi cometido?
Costumo dizer que a maior qualidade que um homem pode ter/adquirir é projetar concepções corretas em seus atos, afinal de contas são nossos atos que mostram quem verdadeiramente nós somos.
Sempre me apeteceu mais a idéia de me mostrarem a perfeição do que me falarem/escreverem sobre ela.
Não se trata de algo hermético, não deve se temer o imperfeito (afinal de contas a perfeição não existiria sem sua idéia antagônica); mas perpetuá-lo é burrice, ou melhor, sacanagem.

Lucas disse...

mas as minhas palavras estarão, eu lhe garanto acompanhadas de ações práticas. ^^
é mais um aviso, nao um desejo. ;D

Mariana disse...

O texto tá legal, só não se preocupe tanto em ser perfeito, o mundo exige resultados é fato, e a ambição é positiva também, só não seja tão escravo do sistema e não se esqueça do que realmente faz a sua felicidade, que acredito q seja agir de acordo com seus principios :)

ricarte disse...

Filho querido,
Adorei o teu texto. Esse nível de abstração e reflexão que propõe em teus textos nos ajuda muito. Acho que, embora um ser errante que sou, também busco inutilmente a perfeição. Cometo, nessa busca louca pra dar conta do recado, injustiças, incompreensões extraordinárias, porque erro, sempre. Te amo!

ricarte

Thalita disse...

tu nunca vai perder a mao no que diz respeito a escrever, adoreei o texto me remeteeu muita coisa que vivo ;) se tu teve a intenção de dispertar a mente de quem leu , conseguiu ;)

sucesso com os demais textos :*

Bianca Lima disse...

O texto tá muito bom, eu gosto desse tom e desse jeito reflexivo, e admiro muito tua coragem em buscar a perfeição e assumir isso. Louvável!