Dreams are renewable. No matter what our age or condition, there are still untapped possibilities within us and new beauty waiting to be born.

-Dale Turner-

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Corredores (uma sugestão de carta apaixonada.)

Querida (o),

Eu corro em minha vida. O tempo todo. Tanto que velocidade já foi emoção. Hoje é rotina. São tantos os porquês de correr que esta vida já não me parece nada mais que um lago profundo na superfície do qual eu preciso correr o mais rápido que puder para que a gravidade, perversa, não me afunde em suas profundezas e eu me torne âncora para o sentir.

Eu corro do pessimismo alheio. Não o suporto. O meu? Continuo fingindo que não o tenho. Corro do odiar e desse sim posso falar com sinceridade. Não sei odiar, nunca soube. Acho que é porque eu sei que ódios, no fundo, são amores imperdoavelmente rejeitados. Eu não sei não perdoar. Eu corro de preconceitos, todos os dias. Porque é bem mais petulante do que eu posso suportar julgar amores ou sentires. Eu corro do meu passado e eu corro rápido. Corro também de algum futuro, talvez devagar demais, me parece.

Corro para ti. De dias cinzas, de hojes. Desses gritos ensurdecedores que não param de vir. Não param de jeito nenhum. Corro rápido demais. E ainda é devagar. Quando mentiras se tornam verdades, quando eu já cansei de correr só, quando o brilho dos teus olhos já apagou toda estrela, é quando eu corro para ti. Quando o mundo inteiro corre rumo ao desastre eu dou a costas e corro para ti. Porque esse amor é única verdade que eu vejo ao redor, por isso é que corro, e corro para ti.

Eu corro e, por isso, não se importe com a distância. Eles tem carros, aviões, navios. Mas eu corro para ti. Do que eu era sozinho e para o que somos juntos. Corro disso tudo e, ainda, queria voar. E se demorar? Só saiba que já estou indo, e espere, por favor. Quando estar só doer demais, dê mais uma lida nestas palavras. Minhas palavras são meu disfarce, me mantém sempre escondido perto de ti, por elas eu posso dizer que estou bem aqui do seu lado. É assim que as milhas de distância entre nós acabam me pondo bem do seu lado.

Continuo correndo, correndo para a vida que, sabemos, já é nossa. Corro porque ainda tenho muito para te dizer. Mas as palavras que faltam, esgotaram todos os idiomas dessa Terra e não se encontram em nenhum deles. Já não há fonema capaz de expressa-las. As palavras que faltam só o toque das minhas mãos é que pode te falar. Palavras que gritam de amor, sem ruído algum. Corro por que o toque dos meus lábios já não suporta mais encerrar as verdades contidas nos meus beijos guardados. Corro quando riem de nós e, mais, rio junto. Porque sabemos quem nenhum deles jamais se sentiu assim.

Eu corri. E ainda hoje corro. A diferença é que hoje eu só corro para ti. Corro porque vamos dançar até morrer. Juntos vivemos para sempre. Corro porque este foi nosso ultimato ao destino, nos deixe morrer jovens ou viver para sempre. E para sempre ele escolheu. E porque já  sei que o meu mundo nunca mais será o mesmo, porque a culpa é toda tua, é que corro. Corro porque na verdade já estou chegando. E, juntos, podemos tudo. Corro porque essa já é minha rotina. E, eu sei, somente tu podes sacudir meu mundo. Tenho-te em minha frente, e é o fim de qualquer rotina. Porque é quando tu estás aqui, quando eu já cheguei, que toda correria cessa. Não há outro jeito. Tu aqui e eu ficarei para sempre imóvel para capturar cada centímetro nesta memória insuficiente. Você aqui e eu, finalmente parado, tenho a certeza de que, pela tua simples presença, enquanto corredor que sou, eu poderia correr bem mais que uma volta ao mundo. Sim, correria. Só, por favor, me espere, estou a caminho. Caminho.

Lucas.

"tu disponível, e noite chuva. Hoje tá tudo perfeito. Hoje podia durar para sempre",

1 comentários:

Thi L. disse...

Porque a vida, nada mais é que uma correria por caminhos diversos, largos, estreitos, confusos, fáceis, coloridos e desprovidos de cor...